Entendendo as diferenças entre câmeras analógicas

Entendendo as diferenças entre câmeras analógicas

Entendendo as diferenças entre câmeras analogicas.

Você tem o habito de ler manuais, Datasheet ou anotar informações técnicas? Neste artigo iremos te ajudar a entender as principais informações de gravadores, câmeras e diversos equipamentos que utilizamos dia a dia em nossos projetos, sempre com a visão de “instalador para instalador”

Mas o que é um datasheet? devo ler?

“Um datasheetfolha de dados ou folha de especificações é um documento que resume o desempenho e outras características técnicas de um produto, máquina, componente (por exemplo, um componente eletrônico), material, subsistema (por exemplo, fonte de alimentação) ou software em detalhe suficiente para que possa ser usado por um engenheiro de projeto para integrar o componente em um sistema.[1] Normalmente, uma folha de dados é criada pelo fabricante do componente/subsistema/software e começa com uma página introdutória descrevendo o restante do documento, seguida por listagens de características específicas, com informações adicionais sobre a conectividade dos dispositivos. Nos casos em que há código-fonte relevante a ser incluído, geralmente é anexado próximo ao final do documento ou separado em outro arquivo.

Dependendo da finalidade específica, uma folha de dados pode oferecer um valor médio, um valor típico, uma faixa típica, tolerâncias de engenharia ou um valor nominal. O tipo e a fonte de dados são geralmente indicados na folha de dados.

Uma folha de dados é geralmente usada para comunicação técnica para descrever as características técnicas de um item ou produto. Pode ser publicado pelo fabricante para ajudar as pessoas a escolher produtos ou ajudar a usar os produtos. Por outro lado, uma especificação técnica é um conjunto explícito de requisitos a serem atendidos por um material, produto ou serviço.”

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Datasheet

Datasheet de câmeras: Para melhor entendimento vamos apresentar 2 datasheets de fabricantes diferentes, mas de equipamentos que “concorrem no mercado”.

Imagem 1: Datasheet Hikvision Colorvu DS-2CE12DFT F

link: https://www.hikvision.com/pt-br/products/Turbo-HD-Products/Turbo-HD-Cameras/ColorVu-Series/ds-2ce12dft-fc/

Imagem 2:Datasheet Intelbras VHD 3240 Full color

link:https://www.intelbras.com/pt-br/camera-multi-hd-full-color-vhd-3240-full-color#beneficios

OK.. mas o que devo levar em conta neste “monte de informações”

 Image Sensor ou Resolução: é onde encontramos informações sobre o tipo de sensor (CMOS ou CCD) e a sua resolução ex: 1mp: 720p , 2mp: 1080p.

Signal system: sistema de imagem ( PALM ou NTSC)

Frame Rate ou FPS: fotos por segundo, quando menor mais “robotizada” será a imagem e com isso perda de cenas.

Min. Ilumination ou sensibilidade: este é um item muito pesquisado, afinal quanto mais sensível maior a capacidade de captura de imagens em baixa iluminação, ( atente se as diferenças) muitos equipamentos para compensar a baixa sensibilidade, vem equipados com verdadeiros “faróis” de led, quando na verdade buscamos câmeras que “filmam colorido no escuro” e não uma luminária de led.

Shutter Time ou velocidade do obturador: é um item pouco pesquisado porem este item é o que faz a diferença em cenários como: captura de placas de veículos em movimento e locais de baixa iluminação.

Lens ou lentes: são os valores em milímetros da lente utilizada no equipamento, lembrando que quanto maior o valor menor a abertura e maior a distancia focal.

Field of View: informam em  graus a abertura do conjunto lente/sensor e isso faz a diferença em relação a área coberta com a câmera.

Day & Nigth: é o modo de comutação em caso de baixa luminosidade, lembrando que os dois modelos de exemplo do artigo são full color, ou seja nunca ficam em preto e branco.

HLC: é o recurso que possibilita a visualização de imagens em locais super expostos a luz, como faróis de veículos, e luz solar.

BLC: esse recurso tem a função inversa do HLC, ele é utilizado para compensar a baixa exposição a luz e “trata” melhor imagens em locais escuros.

 DWDR, WDR ou True WDR: é o ajuste dinâmico de imagem, as diferenças entre DWDR, WDR e WDR Real são fáceis de notar em cenários como câmeras internas apontadas para janelas ou locais com alta incidência de luz, quanto melhor o ajuste mais nítida é a imagem externa, sem causar um escurecimento na imagem interna.

O WDR pode tratar ao mesmo tempo de imagens com alta ou baixa exposição automaticamente, fazendo o trabalho do HLC e BLC, inclusive sendo em muitos casos impossível habilitar estes recursos simultâneos em câmeras. 

O ganho do WDR é medido em decibéis (DB) sendo em media:

DWDR: entre 60 e 80DB, o sensor captura a imagem e ela é “tratada” via software a fim de compensar as diferenças de exposição.

WDR – entre 80 e 120 DB, o o sensor captura duas  imagens em tempos diferentes a fim de capturar a alta e baixa exposição, e assim gerando uma imagem uniforme sem grandes variações de iluminação.

WDR Real: acima de 120DB podendo chegar a 140Db esse recurso captura três imagens e desta forma possibilita um ganho ainda melhor na imagem final devido aos tempos de exposição diferentes.

Grau de proteção: existem vários graus códigos normalmente iniciados com IP, definem a resistência da câmera a ambientes desde simples a corrosivos e explosivos. Por serem diversos graus, vamos listar a baixo os mais comuns.

 

Estes são os principais itens a serem verificados no Datasheet ou Folha de dados de câmeras no que diz sentido a imagem, recursos de captura e exposição.

Para exemplo confira acima as imagens destes dois equipamentos e tire suas conclusões.

Lembrando que ambas estão com seus leds desligados para comparação de sensores e recursos. 

 

 
 

Deixe uma resposta